JOLUSI FM RÁDIO WEB

A rádio web JOLUSI FM também está nesse endereço agora com áudio e video. Clique no "PLAY para acompanhar a programação.

terça-feira, 31 de maio de 2016

Biografia focada na vida pessoal de David Bowie chega ao Brasil


Texto: Lizandra Pronin
Fonte: Território da Música
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


Foto: Reprodução 



David Bowie teve mais uma biografia editada no Brasil.
O livro é "Bowie", escrito por Wendy Leigh e publicado originalmente em 2014 e lançado por aqui pelo selo Best Seller, da editora Record.

A autora, que escreve para o New York Times e já publicou livros sobre Madonna e Marilyn Monroe repassa a vida do músico desde sua infância até o estrelado, contando histórias de sua adolescência, falando da ascensão do artista como ícone pop e ressaltando sua força disruptiva dos costumes de um tempo.

Mais do que falar da obra do músico, "Bowie" se concentra em sua vida pessoal: sua sexualidade que transitou entre se declarar gay, assumir uma bissexualidade e então passar a viver como um heterossexual; além de seu papel de pai e seu longevo casamento. Para isso Wendy Leigh entrevistou amigos e pessoas que trabalharam junto a Bowie.



.



segunda-feira, 30 de maio de 2016

Ariana Grande cancela apresentação e Ivete Sangalo a substitui em Lisboa


Fonte: G1.Globo.com
Informações: Da EFE
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)
Uma infecção na garganta a forçou a cancelar o concerto.
Ivete foi escolhida pelo 'sucesso' da sua apresentação na véspera.


A cantora americana Ariana Grande teve que cancelar sua apresentação no Rock in Rio Lisboa deste domingo (29) por "motivos de saúde" e será substituída por Ivete Sangalo, que repetirá a atuação depois da de sábado, informou a organização.

Em sua conta no Twitter, Grande explicou que uma infecção na garganta a forçou a cancelar o concerto.

"Os médicos me aconselharam a não cantar durante alguns dias. Prometo compensá-los e dar o máximo da próxima vez que voltar", disse a cantora em mensagem a seus fãs.

O Rock in Rio Lisboa decidiu contar de novo com Ivete, por conta do "sucesso da atuação do sábado".



Post de Ariana Grande no Twitter. (Foto: Reprodução/Twitter) 


 Ivete grava DVD em Trancoso, na Bahia (Foto: Rafa Mattei/Divulgação)


A brasileira tocará nesta noite antes do último concerto da edição de Lisboa Rock in Rio: o do DJ sueco Avicii, que dará um de seus últimos espetáculos, já que há meses anunciou que pretende se aposentar quando acabar a atual turnê.

A organização também ofereceu a possibilidade de reembolsar os espectadores que tenham comprado para o dia 29, quando Ariana tocaria.

O problema com a cantora americana é o segundo no festival, depois que o Korn tocou apenas meia hora por culpa de problemas técnicos.

O festival, que abriu em 19 de maio com Bruce Springsteen, mobiliza cerca de mil profissionais para a segurança do recinto, entre policiais, bombeiros, agentes de segurança privada e proteção civil, assim como duas estruturas médicas fixas e dez equipes móveis.

Desde sua fundação no Brasil há 30 anos, o Rock in Rio conseguiu reunir a mais de seis milhões de pessoas em quatro países, -Brasil, Portugal, Espanha e Estado Unidos-, convertendo-se assim em um dos festivais de música mais importantes do mundo.





domingo, 29 de maio de 2016

Korn abandona show antes do fim no Rock in Rio Lisboa por falhas técnicas

Fonte: G1.Globo.com
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


O cantor Jonathan Davis, vocalista do Korn, durante o show da banda
no Rock in Rio Lisboa nesta sexta-feira (27) (Foto: Divulgação)

'Tivemos vários problemas com a energia do palco. Desculpa', afirma grupo.
'Tudo indica que o problema foi do equipamento da banda', diz organização.

O Korn abandonou o palco e terminou antes do fim o show no Rock in Rio Lisboa nesta sexta-feira (27). A apresentação foi marcada por interrupções e falhas técnicas. A banda e a organização do festival relataram o incidente em seus perfis no Facebook.

"Para todo mundo que estava no Rock in Rio Lisboa: nós tivemos uma série de problemas com a energia no palco nesta noite e infelizmente não pudemos terminar o set. Sinceras desculpas a todos os fãs do Korn!", diz a nota do grupo americano, um dos principais do new metal dos anos 1990.

Já comunicado do Rock in Rio afirma: "O Rock in Rio Lisboa lamenta o sucedido. Tudo indica que o problema foi do equipamento da banda estando, ainda, os detalhes a serem apurados.


Os concertos de Hollywood Vampires, Rival Sons e Rock in Rio – O Musical decorreram normalmente, tendo entrado na Cidade do Rock neste dia 27 de maio 56 mil pessoas. As reclamações do público foram recolhidas e a Organização dará uma resposta nos próximos dias".

O site português Arte Sonora informa que a primeira interrupção do show aconteceu após a música de abertura, o hit "Blind". O Korn saiu do palco mas voltou após um tempo, para começar com a mesma música. Só que ocorreu uma nova falha.

A banda, então, deixou o local por cerca de uma hora. Uma pessoa da produção teria dito nos alto-falantes que se tratava de um pequeno problema técnico.


Passado esse tempo, o grupo liderado pelo vocalista Jonathan Davis retornou para tocar mais algumas faixas, segundo o Arte Sonora. Mas então, na cover de "One", do Metallica, o som parou de novo. Desta vez, o Korn foi embora para não retornar mais.

O Rock in Rio Lisboa, que começou em 19 de maio com Bruce Springsteen, mobiliza cerca de mil profissionais para a segurança do recinto, entre policiais, bombeiros, agentes de segurança privada e proteção civil, assim como duas estruturas médicas fixas e dez equipes móveis.

Desde sua fundação no Brasil há já 30 anos, o Rock in Rio conseguiu reunir mais de seis milhões de pessoas, convertendo-se assim em um dos festivais de música mais importantes do mundo.


.


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Longe dos palcos candangos desde 2012 e prestes a se apresentar em Nova Iorque, Bibi canta repertório Sinatra em Brasília


Fonte: ohartes.com.br
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


Foto: Willian Aguiar/Divulgação




Vivaz, a artista, que completa 94 anos em junho, está com a agenda cheia. Apresenta o show “Bibi Ferreira Canta Repertório Sinatra”, em única apresentação, no centro de convenções Ulysses Guimarães, 28/05, as 21h30. A apresentação faz parte das comemorações pelos 75 anos de carreira que a artista completou em fevereiro de 2016.

Como parte da celebração, em setembro ela sobe aos palcos de Nova York com esse espetáculo, no qual além de canções interpretadas por Sinatra, canta músicas do repertório de Amália Rodrigues e Edith Piaf no bis. Paralelamente, artista lança fotobiografia, site e caixa Box com novo CD.


Bibi Ferreira Canta Repertório Sinatra”, que já passou por mais de 10 capitais, reúne composições que se tornaram sucesso na voz do cantor.

Estão no set list as músicas preferidas de Bibi:
Night And Day (Cole Porter) e Dindi ((A. C. Jobim / Aloisio de Oliveira / Ray Gilbert), All The Way (Sammy Cahn / Jimmy Van Heusen), Fly me To The Moon, Girl From Ipanema (Tom Jobim e Vinícius de Moraes) e Old Man River (Jerome Kern / Oscar Hammerstein II).

O espetáculo abre com a orquestra tocando Strangers in the Night (Bert Kaempfert / Charles Singleton / Eddie Snyder). A única canção do show fora do repertório de Sinatra é Rock Around The Clock, de Bill Haley.

No palco, ela é acompanhada por um quinteto, “O show é um bate-papo sobre Sinatra. Ao longo da apresentação, Bibi interage com o maestro e diretor musical Flávio Mendes, contando curiosidades sobre as canções”, detalha o empresário que trabalha há 25 anos com Bibi, Nilson Raman, que está no palco como mestre de cerimônias. Ele assina com a artista e Mendes o roteiro do show.



Bibi Ferreira Canta Repertório Sinatra


)

SOBRE BIBI FERREIRA

Com cerca de 7 anos, ingressou na escola de dança do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, onde estudou com Maria Olenewa. Estudou teatro em Londres.

Em fevereiro de 1941, o grande ator Procópio Ferreira apresentava ao público carioca sua filha, Bibi Ferreira, como uma das atrações do espetáculo La Locandiera, de Goldoni. O que ele não imaginava é que aquela jovem se tornaria uma das mais importantes artistas dos palcos brasileiros

Em 1942, montou sua própria companhia, por onde passaram futuros grandes nomes do teatro, como Cacilda Becker, Maria Della Costa, Henriette Morineau, Sérgio Cardoso e Nydia Licia. Tornou-se uma das primeiras mulheres a dirigir teatro no Brasil. Na década de 50 montou repertório com sua companhia e, depois de bem-sucedidas temporadas cariocas, viajou pelo Brasil com elenco numeroso, grandes cenários e produções caprichadas.

Em 1960 inaugurou a programação da TV Excelsior, com o programa Brasil 60, usando o moderno recurso do videotape para transmitir reportagens das capitais brasileiras, aposentando o programa ao vivo até então comum na TV brasileira. Na mesma década, estrelou dois musicais memoráveis: Minha Querida Lady (My Fair Lady), de Frederich Loewe e Alan Jay Lerner, baseado em Pigmaleão, de George Bernard Shaw, ao lado de Paulo Autran, e Alô Dolly (Hello Dolly!). Por seus desempenhos nesses musicais, tornou-se a primeira atriz do teatro musical brasileiro: aquela que interpreta, canta e dança bem.

Nos anos 70 atuou ao lado de Paulo Autran e Grande Otelo no musical O Homem de La Mancha, de Dale Wasserman, com letras versadas por Chico Buarque. Sob a direção de Flávio Rangel viveu Aldonza/ Dulcinéa, a prostituta que inspira D. Quixote.

Alternando interpretação e direção, assinou Brasileiro, Profissão: Esperança, (1970) de Paulo Pontes e Oduvaldo Vianna Filho, inspirado no compositor Antonio Maria, inicialmente como show intimista de boate com Ítalo Rossi e Maria Bethânia e, depois, como grande espetáculo, com Paulo Gracindo e Clara Nunes.

Em 1975 recebeu o Prêmio Molière pela personagem Joana, de Gota D’Água, de Paulo Pontes e Chico Buarque, adaptação da tragédiaMedéia, de Eurípedes, para os morros cariocas, com direção de Gianni Ratto.

Em 1983, após cinco anos ausente do palco, voltou em Piaf – A Vida de uma Estrela, em que vive a cantora francesa, conquistando os prêmios Molière, Mambembe, Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), Governador do Estado e Pirandello.

Na virada do milênio, personificou a fadista Amália Rodrigues, em Bibi Vive Amália. Causou novo impacto nas plateias brasileira e portuguesa tal a verossimilhança. Em anos mais próximos, o público a viu brilhar nos recitais Bibi In Concert e Bibi In Concert Pop, acompanhada por grande orquestra e coral, nos quais mostra totalmente à vontade um dos seus maiores prazeres: o de cantar. Em 2003 recebeu homenagem da escola de samba niteroiense Viradouro, e se tornou o enredo A Viradouro Canta e Conta Bibi, homenagem ao Teatro Brasileiro, do carnavalesco Mauro Quintaes.



 
A cantora Bibi Ferreira no palco acompanhada por orquestra.

(Foto: Willian Aguiar/Divulgação)


)



REPERTÓRIO

STRANGERS IN THE NIGHT (Bert Kaempfert / Charles Singleton / Eddie Snyder)
NIGHT AND DAY (Cole Porter)
PLEASE (Ralth Rainger/LeoRobin)
OL' MAN RIVER (Oscar Hammerstein II / Jerome Kern)
NATURE BOY (Eden / Ahbez)
AUTUMN LEAVES (Joseph Kosma / Johhny Mercer / Jacques Prévert)
CHEEK TO CHEEK (Irving Berlin)
ALL OF ME (Gerald Marks / Seymour Simons)
SOMEONE TO LIGHT UP MY LIFE (A. C. Jobim / Vinicius de Moraes / Gene Lees)
DINDI (A. C. Jobim / Aloisio de Oliveira / Ray Gilbert)
ALL THE WAY (Sammy Cahn / Jimmy Van Heusen)
THE LADY IS A TRAMP (Lorenz Hart / Richard Rodgers)
I GET A KICK OUT OF YOU (Cole Porter)
I'VE GOT YOU UNDER MY SKIN (Cole Porter)
YOU MAKE ME FEEL SO YOUNG (Mack Gordon / Josef Myron)
ROCK AROUND THE CLOCK (Bill Halley)
FLY ME TO THE MOON (Bart Howard)
THAT'S LIFE (Kelly Gordon / Dean Kay)
MEDITATION (A. C. Jobim / Newton Mendonça / Norman Gimbel)
QUIET NIGHTS OF QUIET STARS (A. C. Jobim / Gene Lees)
WATER TO DRINK (A. C. Jobim / Vinicius de Moraes / Norman Gimbel)
MY WAY (Paul Anka / Claude François / Jacques Revaux)



Foto: Willian Aguiar/Divulgação


)




BIBI FERREIRA CANTA REPERTÓRIO SINATRA

EM BRASÍLIA

SÁBADO · 28/05/2016 · 21h30
Centro de convenções Ulysses Guimarães – auditório máster



INGRESSOS
Poltrona Front Gold: R$ 180 *
Poltrona Gold: R$ 130 *
Poltrona A: R$ 100 *
Poltrona B: R$ 80 *
Poltrona Superior: R$ 50 *


* Valores referente a meia entrada e sujeito a alteração sem prévio aviso.

Meia Entrada: Estudantes, Idosos, Professores e Portadores de necessidade especiais devidamente documentados. Será cobrada a comprovação de direito a meia-entrada no momento de compra e/ou no acesso ao evento, sujeito a 40% da lotação da casa.

Promoções
60% de desconto para assinantes Correio Braziliense (limitado a 200 ingressos);
55% de desconto para clientes VIVO mediante devida comprovação;
50% de desconto sobre o ingresso inteiro para portadores do cartão Brasília Show (a apresentação do mesmo é válida tanto impresso quanto no smartphone).

Ponto de venda sem taxa de conveniência
Central de Ingressos – Brasília Shopping / G2

Ponto de venda com taxa de conveniência
Eventim / 4003-6860

INFORMAÇÕES
Acessibilidade: Sim
Classificação indicativa: 12 anos
Mais Informações: (61) 3554-4005 / www.ohartes.com.br
Realização: Oh! Artes





)



quinta-feira, 26 de maio de 2016

Paul McCartney cita depressão após fim dos Beatles: 'Apelei para o álcool'


Fonte: G1.Globo.com
Informações: Da EFE

Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


.

 Ele falou da relação com John Lennon: 'Não sabia tocar guitarra no início'.
À rádio BBC 4, músico afirmou: 'O business nos separou'; leia trechos.

O cantor britânico Paul McCartney confessou que passou por uma depressão após a ruptura dos Beatles e que inclusive considerou deixar a música definitivamente. O relato foi feito a um programa de rádio "Mastertapes", da BBC 4, que nesta terça-feira (24) antecipou trechos da conversa.

O ex-Beatle também contou que começou a beber muito depois que a banda de Liverpool decidiu se separar em 1970. A íntegra da entrevista vai ser divulgada no sábado (28).

"Foi difícil saber o que fazer depois dos Beatles. Como seguir adiante?", perguntou-se Paul. "Estava deprimido. Você estaria. Eu estava rompendo com meus amigos da vida inteira. Então, apelei para o álcool", disse.



.Paul McCartney e banda durante show em noite de chuva no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília (Foto: Fábio Tito/G1) 



Os Beatles se separaram oficialmente em 1970 após o lançamento do disco "Ler it be".

"O business nos separou", reconheceu McCartney, que diz que a separação provocou uma depressão já que não sabia "se ia continuar na música", por isso que viajou à Escócia por um tempo e lá começou a beber.


Segundo explicou, foi sua mulher na época, Linda, que lhe ajudou a sair dessa situação ao formar com ela a banda Wings.

"Foi terrível. Nós não éramos uma boa banda. As pessoas diziam 'Linda não sabe tocar teclado', e era verdade", disse. "Mas John também não sabia tocar guitarra quando começamos [os Beatles]."

Relação com John Lennon

Em sua conversa com a BBC, Paul McCartney também expressou sua tranquilidade por ter melhorado sua relação com John Lennon antes que de ele ser assassinado em Nova York em dezembro de 1980.



.


"Foi realmente grandioso que estivéssemos outra vez juntos antes de sua morte porque teria sido algo muito difícil de lidar", contou o músico do quarteto britânico.

Entre outras coisas, Paul reconheceu que a concorrência que sentia com Lennon quando formavam o grupo ajudou a criar alguns de seus melhores trabalhos musicais.


"Quando se é jovem, ocorrem coisas mágicas, estar na banda, a concorrência com John, ser uns meninos e de repente sermos famosos e isso deu passo a um bom trabalho", explicou.

O programa "Mastertapes" foi gravado em um estúdio da BBC no centro de Londres onde os Beatles cantaram algumas canções para a rádio nos passados anos 1960.

Na gravação, segundo a emissora, estiveram famosos como Brad Pitt, Noel Gallagher, Martin Freeman, Simon Pegg e James Bay, assim como membros do público que fizeram perguntas a McCartney.



.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Cantora Preta Gil se apresenta em versão do 'Chá da Alice' em Brasília



Fonte: G1.Globo.com
Informações: Do G1Brasília
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)
Fotos: Divulgação. Arte final: Jorge Luiz da Silva.


 'Chá da Preta' acontece nesta quarta na Hípica Hall; festa começa às 23h.
Espaço é ambientado com personagens de ‘Alice no país das maravilhas’.



O Hípica Hall, em Brasília, recebe nesta quarta-feira (25), véspera de feriado, a festa “Chá da Preta”, versão especial do “Chá da Alice”, com a cantora Preta Gil. O evento acontece às 23h e é produzido pela Victoria Haus.

A cantora vai apresentar músicas do CD “Bloco da Preta”, gravado em 2014. Entre as músicas, estão “Stereo” e “Sinais de fogo”, ambas de Ana Carolina, e “Meu corpo quer você”, gravada com a participação do funkeiro Naldo. O repertório também faz referências a nomes da música brasileira como Tim Maia, Lulu Santos e Cazuza.

O local da festa é dividido nos setores Gato Sorridente, Chapeleiro Maluco e Rainha de Copas, que fazem referência à história de “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll. O público será recebido também por personagens, como o coelho e a própria Alice.

O evento temático teve início há seis anos no Rio de Janeiro. Em Brasília, o “chá” acontece desde 2013 e já teve participação da cantora Anitta. Outras atrações da festa são os DJs Giordana Forte, Babi Deejay, Alberto Ponzo e Mutti.



Foto: Divulgação. Arte final: Jorge Luiz da Silva.

Chá da Preta em Brasília
Local: Hípica Hall (área epecial 8, atrás do Metrô ParkShopping)
Data: quarta (25/05)
Horário: 23h00
Atrações: show com Preta Gil; DJs Alberto Ponzo e Mutti.


Ingressos (valores de meia-entrada do primeiro lote):
Setor Rainha de Copas: R$ 90,00
Setor Chapeleiro Maluco: R$ 60,00
Setor Gato Sorridente: R$ 30,00

Classificação: 18 Anos



 
A cantora Preta Gil no evento "Chá da Alice" (Foto: Victoria Haus/Divulgação)




terça-feira, 24 de maio de 2016

Billboard Awards tem homenagem a Prince e retorno de Céline Dion

Fonte: G1.Globo.com
Informações: France Presse
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)
Stevie Wonder e Madonna cantam "Purple Rain" durante tributo a Prince no Billboard Awards em Las Vegas (Foto: REUTERS/Mario Anzuoni)

.
The Weeknd levou oito prêmios e Adele venceu cinco categorias.
Madonna e Stevie Wonder cantaram 'Purple Rain' durante cerimônia.


A premiação Billboard Music Awards foi marcada por momentos de emoção na noite de domingo (22) em Las Vegas, com homenagens a Prince e o retorno de Céline Dion aos palcos depois da morte de seu marido.

Como o prêmio Billboard não é definido por um júri ou integrantes de uma academia, e sim com base nos resultados comerciais e de popularidade, a cerimônia é marcada pelas apresentações dos artistas, mais do que pelo suspense sobre os vencedores.

Assim, a homenagem de Madonna a Prince será mais lembrada que os oito prêmios do cantor The Weeknd ou os cinco de Adele, os dois grandes vencedores da noite.

Antes de Madonna encerrar a premiação, o nome de Prince já havia sido citado por artistas como Wiz Khalifa e Seal, além do próprio The Weeknd.

No fim da noite, Madonna cantou "Nothing Compares 2 U" e depois, ao lado do convidado Stevie Wonder, "Purple Rain".

Mas a apresentação decepcionou muitos fãs e vários internautas criticaram a cantora nas redes sociais. Os espectadores consideraram as versões de Madonna pálidas, afastadas do universo de Prince.

Céline Dion recebeu o prêmio Billboard das mãos do filho mais velho, René-Charles
(Foto: REUTERS/Steve Marcus)

Em outro momento emocionante da noite, a cantora Céline Dion retornou aos palcos após a morte do marido, René Angélil, em abril.

Depois de receber o Billboard Icon Award, um reconhecimento a sua carreira, a cantora canadense interpretou "Show Must Go On" do Queen, em homenagem ao marido.

Muito emocionada, a cantora recebeu o prêmio das mãos do filho mais velho, René-Charles.