domingo, 19 de fevereiro de 2017

Show em João Pessoa homenageia os 99 anos de Jacob do Bandolim


Fonte: G1.Globo.com (G1-PB)
Fotos: Reprodução.
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


O bandolinista pernambucano Roberto do Valle comandou a homenagem.
'Sabadinho Bom' na praça Rio Branco, centro de João Pessoa. (Do G1 PB)


O Sabadinho Bom, evento tradicional das tardes de sábado em João Pessoa, homenageou ontem, dia 18 de fevereiro os 99 anos de Jacob do Bandolim, com a participação do bandolinista pernambucano Roberto do Valle. A homenagem fiá repleta de clássicos do choro, ritmo o qual Jacob é conhecido como um dos patronos. O show aconteceu na praça Rio Branco, centro da capital.

Jacob do Bandolim é autor de clássicos de um ritmo cem por cento brasileiro, o choro - também conhecido como chorinho. Se estivesse vivo, este ano ele completaria 99 anos; por isso, desde a semana passada que ele recebe homenagens no Rio de Janeiro, sua cidade natal, e em boa parte do país.

Novamente em João Pessoa, o bandolinista Roberto do Valle desta vez sobe ao palco para não só homenagear Jacob, como também promover uma festa que passeia do choro tradicional e clássico com músicas de Pixinguinha, Severino Ravel e Abel Ferrara, aos contemporâneos Sivuca e Paulinho da Viola.


Na banda estiveram os violonistas Isaac 7 cordas e Eduardo Fiorussi, tocando o violão de sete cordas, e teve ainda a participação do também bandolinista Diego Ayres.






quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

'Samba jambo' mostra o primeiro sabor do 'Pop banana' de Júlia Vargas


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com.br
Foto: Reprodução.
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




Nas plataformas digitais a partir da próxima sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017, o single (capa acima) com a regravação de Samba jambo mostra o primeiro sabor de Pop banana, segundo álbum de estúdio da cantora fluminense Júlia Vargas. Parceria de Jorge Mautner com Nelson Jacobina (1953 – 2012), Samba jambo é música lançada por Mautner há 41 anos no álbum Mil e uma noites de Bagdá (1976). O single sai através da gravadora Biscoito Fino.


(Crédito da foto: capa do single Samba jambo, de Júlia Vargas)



Disco gravado no Rio sob a direção artística de Vanessa Garcia e da própria Júlia Vargas, idealizadoras do projeto, Pop banana está previsto para chegar ao mercado fonográfico em março em edição do selo Porangareté que será distribuída pela gravadora Biscoito Fino. Além de Samba jambo, o repertório de Pop banana inclui Pulmão (Carlos Posada) – música gravada por Júlia com o cantor carioca Pedro Luís – e A vida não é sopa (Marcos Mesmo). O primeiro álbum de estúdio de Júlia Vargas foi lançado em 2012 somente em edição digital.






quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Lady Gaga dispara na parada da 'Billboard' depois de show no Super Bowl


Fonte: G1.Globo.com
Informação: Reuters
Fotos: Reprodução.
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


Lady Gaga durante performance no Super Bowl
(Foto 1: Matthew Emmons-USA TODAY Sports) 



'Joanne', mais recente disco da cantora, subiu mais de 60 lugares no ranking semanal norte-americano.



Lady Gaga disparou na parada semanal de discos norte-americana Billboard 200 nesta segunda-feira (13). Seu show no intervalo do Super Bowl, no último dia 5, deu ao catálogo de músicas da cantora um reforço nas vendas.

"Joanne", de Gaga, lançado em outubro, subiu mais de 60 lugares na parada até a segunda colocação, vendendo 74 mil unidades, de acordo com dados da Nielsen Soundscan.

No Super Bowl, a final do futebol americano, a artista fez um show comportado, cantando vários sucessos de sua carreira, depois de voar do teto do estádio até o palco, suspensa por cabos. O jogo e o show no intervalo foram assistidos pela TV por mais de 110 milhões de pessoas.

A performance também representou um grande reforço para os discos anteriores de Gaga. “The fame”, de 2008, voltou à parada na sexta posição, com 38 mil unidades vendidas, e “Born this way”, de 2011, ficou com o 25º lugar, com 17 mil unidades vendidas.

A cantora, de 30 anos, liderou a parada de músicas digitais, que mede a venda de músicas online, com a sua nova faixa “Million reasons”, vendendo 149 mil cópias. Sucessos anteriores como “Born this way”, “Bad romance” e “Poker face” também tiveram grande reforço na parada de singles.

A parada de álbuns Billboard 200 contabiliza vendas de discos, vendas de músicas (dez equivalem a um disco) e atividade de streaming (1.500 equivalem a um disco).







domingo, 12 de fevereiro de 2017

Com seleção elástica, coletânea de Bossa Nova abrange até Roberta Sá


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com
Foto: Reprodução
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




O Brasil vai festejar os 60 anos da Bossa Nova somente em 2018, já que o marco zero do movimento foi a fundamental gravação por João Gilberto, em julho de 1958, do samba Chega de saudade (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1958) para compacto editado em agosto daquele ano. Contudo, mesmo sem aludir precocemente à efeméride, a gravadora Universal Music está lançando neste mês de fevereiro de 2017 uma coletânea com fonogramas de músicas e/ou artistas associados ao movimento que revolucionou a estética da música do Brasil

 




Com seleção elástica, que inclui até registros da dupla Toquinho & Vinicius e da cantora Roberta Sá, a compilação A Bossa Nova é nossa enfileira 14 gravações de nomes como Antonio Carlos Jobim (1927 – 1994), Gal Costa, Nara Leão (1942 – 1989) e Vinicius de Moraes (1913 – 1980), entre outros. Tom e Vinicius são nomes recorrentes na seleção, tanto como compositores quanto como intérpretes das músicas escolhidas para o disco. Eis, na disposição das faixas no CD, os 14 fonogramas da coletânea A Bossa Nova é nossa com os nomes das músicas, compositores e intérpretes:

1. Só tinha de ser com você (Antonio Carlos Jobim e Aloysio de Oliveira, 1964) – Antonio Carlos Jobim
2. Carta ao Tom 74 (Toquinho e Vinicius de Moraes, 1974) – Vinicius de Moraes, Toquinho e Quarteto em Cy
3. Canto de Ossanha (Baden Powell e Vinicius de Moraes, 1966) – Baden Powell e Vinicius de Moraes
4. Este seu olhar (Antonio Carlos Jobim, 1959) – Nara Leão
5. Mas que nada (Jorge Ben Jor, 1963) – Tamba Trio
6. A rã (João Donato e Caetano Veloso, 1974) – Gal Costa
7. Onde anda você? (Hermano Silva e Vinicius de Moraes, 1974) – Toquinho & Vinicius
8. Brigas nunca mais (Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1959) – Roberta Sá (ao vivo)
9. Corcovado (Antonio Carlos Jobim, 1960) – Elis Regina e Antonio Carlos Jobim
10. Choro de nada (Eduardo Souto Neto e Geraldo Carneiro, 1975) – Toquinho & Vinicius
11. Passarim (Antonio Carlos Jobim, 1987) – Antonio Carlos Jobim
12. Tudo na mais santa paz (Toquinho e Vinicius de Moraes) – Toquinho & Vinicius
13. Samba da benção (Baden Powell e Vinicius de Moraes, 1966) – Vinicius de Moraes
14. Águas de março (Antonio Carlos Jobim, 1972) – Antonio Carlos Jobim e Elis Regina

(Crédito da imagem: capa da coletânea A Bossa Nova é nossa)









sábado, 11 de fevereiro de 2017

Com refrão-chiclete, 'Vou te amar o ano inteiro' é aposta de Bell para folia

Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com
Fotos: Reprodução.
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




Bell Marques saiu do Chiclete com Banana no Carnaval de 2014, após 32 anos no posto de vocalista do grupo soteropolitano, mas parece que o Chiclete com Banana ainda não saiu totalmente do cantor e guitarrista baiano nascido em Salvador (BA) em 1952 com o nome de Washington Marques da Silva.

Pelo menos é a impressão deixada pelo single Vou te amar o ano inteiro, lançado ontem, 10 de fevereiro de 2017, nas plataformas digitais.





Composta por Tierry Coringa e Magno Santana, a música foi gravada por Bell com arranjo que evoca o estilo agalopado de várias gravações do Chiclete com Banana. De todo modo, o refrão-chiclete "Eu vou te amar o ano inteiro / Menos fevereiro, menos fevereiro" é explosivo e tem tudo para ajudar a performance de Bell no Carnaval de Salvador neste ano de 2017.

Aliás, consta que o abadá mais caro é o dos blocos puxados por Bell Marques, que, finda a folia, planeja gravar DVD solo com repertório voltado para o universo do forró.






(Crédito da imagem: capa do single Vou te amar o ano inteiro, de Bell Marques)

                                                                                                         

                                                                                                         



sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Universal obtém direitos sobre músicas inéditas de Prince

Texto:  Mauro Ferreira.
Fonte: G1.Globo.com (France Presse)
Fotos: Reprodução
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação itinerante)

Gravadora também assumiu controle de 25 álbuns que astro lançou com seu próprio selo a partir de meados da década de 1990. Músico morreu em abril do ano passado.



O administrador do patrimônio de Prince, que durante muito tempo enfrentou a indústria da música, anunciou nesta quinta-feira (9) um acordo com a Universal Music, a maior gravadora do mundo, para lançar grande parte do amplo catálogo do ícone do pop.



Prince se apresenta durante o show do intervalo do Super Bowl XLI no Dolphin Stadium, em Miami, em fevereiro de 2007. (Foto: Chris O'Meara/AP/Arquivo)


Com o acordo, a Universal ganhou os direitos sobre as músicas inéditas que Prince deixou em um cofre em sua propriedade em Paisley Park, em Minnesota, onde morreu em abril passado. A gravadora também assumiu o controle de 25 álbuns que Prince lançou com seu próprio selo, NPG Records, a partir de meados da década de 1990.

A Universal havia dito que ia conseguir os direitos nos Estados Unidos sobre "alguns álbuns famosos de Prince de entre 1979 e 1995", a época mais emblemática de sua carreira, quando encabeçou as listas com "Purple Rain" e outros trabalhos. "Prince foi um dos grandes talentos musicais de todos os tempos, um gênio incomparável como intérprete, artista e compositor", disse em um comunicado o chefe e CEO do Universal Music Group, Lucian Grainge, sem revelar o valor do acordo.

L. Londell McMillan, que foi advogado do cantor durante muito tempo e que atualmente representa seu patrimônio, disse confiar que a gravadora - que anteriormente alcançou um acordo separado pelos direitos sobre as composições de Prince - "apresentará a música de Prince com uma visão holística que celebre sua condição de ícone".




Prince morreu aos 57 anos por uma overdose de analgésicos, sem testamento nem herdeiros, deixando seu legado em uma total confusão. O administrador do patrimônio do cantor também parece ter fechado acordos para levar sua música aos principais sites de streaming, como o Spotify. Prince era um crítico ferrenho das gravadoras e, mais tarde, da internet. Ele considerava que as corporações submetiam os artistas a uma escravidão virtual.





Com pouca ardência, 'Pimenta' é a aposta de Popozuda para o Carnaval


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com
Fotos: Reprodução
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




"Tá gamadinho na minha treta
Ela é mais quente que pimenta malagueta
Tá viciado no chazinho aqui da preta
Agora vai comer na mão aqui da nega",

gaba-se Valesca Popozuda em Pimenta, single lançado hoje, 10 de fevereiro de 2017, pela funkeira carioca.

Já em todas as plataformas digitais, em single editado via K2L Records, Pimenta seria uma das músicas do primeiro álbum da artista, arquitetado há anos. A batida eletrônica do funk sustenta Pimenta, mas a intenção de Popozuda, ao botar o single na rua, é tentar emplacar um hit no Carnaval.

Em que pese o refrão empoderado, à moda do bloco feminino que vem arrastando multidões pelo Brasil, Pimenta arde pouco... Pimenta é mais um título da discografia de singles digitais editados pela artista desde 2013, ano em que ganhou projeção nacional com o funk Beijinho no ombro.

(Crédito da imagem: capa do single Pimenta. Valesca Popozuda em foto de Faya)




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Lady Gaga fará show no 1º dia do Rock in Rio 2017, em setembro


Fonte: G1.Globo.com
Foto: Reprodução
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)


cantando no intervalo do Super Bowl
(Foto: Christopher Polk Getty Images North America / via AFP Photo)


Festival confirmou participação da cantora nesta segunda (6).
Ela vem ao país para divulgar o disco 'Joanne', lançado em outubro de 2016.


A estrela pop Lady Gaga fará show no Rock in Rio 2017, que acontecerá entre os dias 15 e 24 de setembro deste ano, anunciou o festival nesta segunda-feira (6). A cantora será a principal atração do primeiro dia da festa.

Gaga, que se apresentou neste domingo (5) no intervalo do Super Bowl, no Texas (EUA), também anunciou a passagem pelo Brasil nas redes sociais. A cantora vem ao país na turnê do disco "Joanne", que tem as faixas "Million reasons" e "Perfect illusion". O álbum foi lançado em outubro do ano passado.

Será a estreia da cantora no Rock in Rio. Ela veio ao Brasil em 2012, para apresentações em São Paulo, Rio e Porto Alegre. Segundo a organização do festival, o show no evento será o único de Gaga no país em 2017. Os ingressos para a festa começarão a ser vendidos em 6 de abril, pelo site Ingresso.com. Ainda não há informações sobre preços.





Outras atrações

Gaga é a sexta atração confirmada do festival, que chega à sua sétima edição no Brasil. Aerosmith, Red Hot Chili Peppers, Maroon 5, Bon Jovi e Billy Idol também vão se apresentar. Neste ano, a Cidade do Rock, onde acontece a festa, será montada no Parque Olímpico, que recebeu a maior parte das competições da Olímpiada do Rio em 2016.

De acordo com a organização do evento, o novo local é duas vezes maior que a antiga Cidade do Rock, também na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e vai facilitar o acesso à festa. A produção informou que o público agora poderá optar pelo sistema de transportes usado durante os Jogos Olímpicos 2016.




Neste ano, pela primeira vez, uma edição brasileira terá duas Rock Streets. As ruas temáticas com lojas, restaurantes e apresentações artísticas vão homenagear a África e o Brasil. Em novembro passado, os bilhetes do Rock in Rio Card, vendidos antecipadamente e que equivalem a ingressos para a edição de 2017, se esgotaram menos de duas horas após o início das vendas. Os cards custavam R$ 435 (inteira) e R$ 217,50 (meia).







sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Paulo faz CD com produção de Kassin, letra de Arnaldo e cordas de Verocai


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com
Foto: Reprodução.
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




Cantor, compositor, poeta e psiquiatra, Paulo Carvalho vai entrar no estúdio Monoaural, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), na próxima segunda-feira, 6 de fevereiro, para começar a gravar o terceiro álbum, Carvão.

O sucessor dos álbuns De longe (2007)
e O amor é uma religião (2012) – ambos produzidos por músicos do grupo Cidadão Instigado – terá produção de Kassin, música em que Carvalho assina a letra com Arnaldo Antunes (Área de cobertura, cuja melodia é do pianista André Lima) e arranjos de cordas orquestradas pelo maestro Arthur Verocai. A música-título Carvão é parceria de Carvalho com o baterista paulistano Curumin.

Carvão vai ser gravado com os toques da guitarra de Tim Bernardes (principal integrante do grupo O Terno), do piano de André Lima e da bateria e percussão de Stéphane San Juan. Kassin também tocará no disco. Uma das músicas do repertório autoral de Carvão – Qual o porquê?, parceria de Carvalho com Marcelo Jeneci – já tem gravação em rotação na web desde agosto de 2016.

Compositor desde os 23 anos, Paulo Carvalho também se prepara paralelamente para lançar o primeiro livro de poesias, Quintal, previsto para chegar ao mercado literário no segundo semestre de 2017.







(Crédito da imagem: Paulo Carvalho em foto de Jonas Tucci)






quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Katê e Claudia Leitte 'estão pro crime' em single que reitera poder feminino


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: G1.Globo.com
Fotos: Divulgação
Edição: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)




Cantora e compositora baiana que iniciou carreira solo há quatro anos, depois de ter sido vocalista da banda soteropolitana VoaDois de 2006 a 2013, Katê está lançando single com versão feminina da música Tô pro crime, composta pela própria Katê em parceria com Plinelson Silva.

A música já tinha sido lançada
em dezembro de 2016 em outra versão que juntava Katê com a cantora fluminense Claudia Leitte e com o funkeiro carioca Mr. Catra. Na atual versão, editada em single nas plataformas digitais nesta última semana de janeiro, Tô pro crime reaparece providencialmente sem os vocais de Catra.

Nessa segunda versão, Claudia Leitte, que faz um rap na gravação, divide a interpretação do tema sozinha com Katê na linha do empoderamento feminino que tem gerado lucros no mercado fonográfico brasileiro no mundo do funk pop, no universo sertanejo e também nas vozes de cantoras associadas à música afro-pop-baiana rotulada como axé music como Katê e Claudia Leitte. Estar pro crime, na gíria hedonista dos solteiros baladeiros, significa estar com disposição para curtir todos os prazeres da noite. A gíria se afina com as músicas que compõem a trilha sonora das baladas.


(Crédito da foto: capa do single Tô pro crime, de Katê com participação de Claudia Leitte)


O clipe dessa nova versão da música foi gravado por
Katê com Claudia Leitte
no Studio Groove, em Salvador (BA), em 17 de janeiro.

)




terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Repertório mediano impede Cheiro de florescer no EP 'Jardim delirante'


Texto: Mauro Ferreira
Fonte: O Fuxico.com.br /
Fotos: Divulgação - Arquivo ASES e Google.com.br
Edição e arte: Jorge Luiz da Silva
Salvador, BA (da redação Itinerante)





Embora seja banda baiana formada em 1985 por empresários, e não por músicos, Cheiro de Amor também marcou época no apogeu da música afro-pop-baiana como axé music, tendo a cantora Márcia Freire como vocalista.

Outras cantoras, como Carla Visi e Alinne Rosa, sucederam Freire no posto de vocalista da banda sem a mesma empatia popular. Vina Calmon é a atual vocalista da Cheiro e, por isso, tem foto estampada na capa colorida de Jardim delirante, EP que a banda lançou nas plataformas digitais na última sexta-feira, 27 de janeiro de 2017, com quatro músicas.

O título Jardim delirante sugere guinada psicodélica, mas nada há de minimamente lisérgico no repertório ritmicamente previsível do disco.

Aliás, a qualidade mediana desse repertório impede que a Cheiro de Amor desabroche em Jardim delirante como nos áureos tempos.

O EP reúne três músicas inéditas e a regravação, com a letra integral, do Tema do Cheiro, composição de Heládio e Jorge Nunes lançada originalmente pela banda há 30 anos no álbum Pimenta de cheiro (1987).

Uma das três inéditas do EP, a rigor, já foi apresentada em dezembro de 2016. Com levada caribenha, Criatura (Marcelinho Oliveira) já está em rotação com clipe gravado em Santo Antônio Além do Carmo, tradicional bairro de Salvador (BA), cidade natal da banda já balzaquiana.

As duas reais novidades do EP Jardim delirante são o pop reggae eletrônico O nosso amor é assim – de autoria de Umberto Tavares e Jefferson Junior, compositores habituados a criar hits para cantoras de pop funk como Anitta e Ludmilla – e Papel de pão (Marcelinho Oliveira), que soa como simulacro das boas músicas da axé music calcada no baticum afro-brasileiro.








No posto de vocalista da Cheiro desde 2014, Vina Calmon desempenha bem a função que lhe cabe na estrutura empresarial da banda. O que falta para a Cheiro de Amor florescer outra vez é repertório à altura do cancioneiro gravado pela banda na primeira década de vida. (Cotação: * *)







(Crédito da foto: capa do EP Jardim delirante, da banda Cheiro de Amor)